Pular para o conteúdo principal

“se eu fosse eu”.

Se eu fosse eu, eu seria diferente! Faria as coisas do meu jeitinho, jeitinho brasileiro que de nada preconceituoso se apropria. O jeitinho de fazer bem. Bem feito e bem feito mesmo! Quando resolvi vir a esse mundo, não sabia que as coisas seriam tão complicadas quanto aparentam ser. Pergunto-me sempre se de fato são tão complicadas? Mas se não fossem não teríamos tantos problemas.
Os meus não são tantos! O meu o que? Meus problemas. Tenho alguns que me tomam todo o tempo, por isso não posso ter o privilégio de ter o meu tempo dedicados a tantos, mas bem, são problemas!
O primeiro deles caminha em direção a um autoconhecimento. Não sei quem eu sou, a verdade é essa. Já fui tantos, que às vezes me confundo em quem realmente quero ser! Já fui um homem que podia voar, cortava os ares em minha capa azul, mas também já fui o monstro do lago Ness, enfurecido espantava a tudo e a todos. Nesse espantar a todos me transformei no “mestre dos magos” daquele desenho Caverna do dragão. Quando fui ele, aprendi a me esconder, só aparecia quando achava conveniente, quase nunca! Me escondi, fugia e fugia.
Hora monstro, hora herói, minha vida me confundia, ou era eu quem confundia minha vida? Transformei-me no incrível Huck, que vivia de uma aparência falseta, onde a verdadeira imagem estava guardada no mais intimo de meu ser. Quem eu era, não tinha definição, tudo mudava, mas a questão continuava. Não fazia sentido me procurar. Mas eu continuava.
Os monstros pareciam estar cada vez mais próximos de minha realidade. Uma realidade que fugia a normalidade da maioria das pessoas. Eu podia voar, podia passar horas debaixo d’agua sem que nada me ocorresse. Eu era incrível! Mas ninguém me via. Eu era invisível para os outros. Esse “eu” era insignificante diante do eu criado por “outros”. A minha realidade pouco importava, o meu desejo e minha vontade se esvaiam perto da imagem criada por eles.
Quem eu era? Quem eu me tornava?
Ninguém, apenas ninguém. Eu queria ser um ninguém. Em ser notado e não ser notado preferiria abstenção. De que vale viver se não podemos ser notados? É como se passássemos pela vida e não tivéssemos importância alguma, passamos e ninguém nos vê. Ma de que vale ser notado e apontado como o que é algo que não é? E se for, e daí? A preocupação com a vida alheia em tons preconceituosos tem sido desastroso.
Os indicadores, os indicadores...
São eles que respondem por tant@s.
São os indicadores que nos dizem quem somos ou o que devemos ser. Não sou eu quem vos fala, sou fruto dos indicadores. Vivemos em função de que? Eu mesmo respondo: vivemos em função dos indicadores, de sermos notados, vistos, apontados.
Não queremos passar despercebidos, mas queremos notação respeitosa.
Tenho vontade de beijar uma mulher, tenho vontade de beijar um homem! Tenho ânsia de seguir outra religião que não a cristã, quero ser Indu! Não creio no sobrenatural, desconsidero um Deus!
Há tanta diversidade, tantas mentes, tantas pessoas, que não enxergamos! O que nós queremos enxergar nos destoa do respeito!
Eu queria ser diferente, queria ser apenas eu. Eu que distou de pré-juízos. Que de efeito só tem a ânsia de um dia desformular as noções de convivência. Tudo é tão predeterminado que esqueci de viver. Esqueci de dizer que eu tenho uma vida para além de “outro”. Que minha bolsa de grife de nada me vale se não for eu quem a quis. A angústia e a depressão continuam aqui, está ao nosso lado. Eu a vejo, vocês a veem? Estranho, vejo luz.
Luz, tudo está clareando. Que não seja o fim de um túnel, não quero ir ainda.
Não não é um túnel, é o sol. O astro rei, que se aproxima numa imensa veloxidade. Ele fala, e me diz que se eu fosse eu, de verdade, seriamos mais amigos e os meus dias seriam mais iluminados.
Mas como posso ser eu? Como posso fugir da pressão, dos dizeres e dos mal dizeres? Como posso fugir dos indicadores?
Apenas seja vocÊ!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONTRA OS FALATÓRIOS DE CORREDORES E A DISSEMINAÇÃO DE UMA IMAGEM DISSOCIADA. (Por Alisson Nogueira)

Os últimos tempos se mostraram bastante conturbados. Estamos envoltos em grandes discussões de ordem metodológica que deveriam permear o campo da práxis, no entanto nos deparamos com argumentos que distorcem a realidade. Tento sinceramente compreender em que consiste esta organização desenfreada que se materializa em disputas personalizadas. Cuidado redobrado! A opinião pública é colocada em contestação e, aparentemente, os regimes autoritários voltam à ação.  Preocupamo-nos diariamente com os nossos problemas reais que destoam do imaginário coletivo de grande parte dos que compõem o cenário acadêmico subalternizador.  Perguntamo-nos qual o sentido de estudar a história das classes e dos meios de coerção se passamos a compor um grupo que ocupa o papel de objetos coercitivos? Em que luta estamos “embrenhados”? A cúpula que se formou estruturam o novo manual de conduta, o AI meu Deus, e onde nós estamos de fato? Cuidado você não é livre para pensar, sua fala é cerceada em prol de algo…

DESABAFO - HIPOCRISIA.

Preciso sair desta prisão. Preciso me refugiar em algum lugar que eles não venham atrás de mim. Parece psicose, mas não é. Eu sinto a vontade de fugir, só. Não adianta tentar lutar contra essas coisas que eu sei que não dá certo. É a fuga que resolve só a fuga. Há um movimento de repulsa muito grande aqui, é como se fossem contrárias a força que emana de mim e a que emana da casa, ou dos que a habitam, não sei. Repele minha pele, minha boca, meus sentidos, meu espírito.  A repulsa é tanta que só de imaginar em ter que ouvir e estar no mesmo ambiente que as pessoas, já me dão náuseas. Ouço coisas, tento de todo modo ser e estar alheio a tudo, mas não consigo. Sinto que incomodo a tantos que me acolhem! É, sei que não devo fazê-lo, mas me angustia ficar assim. Tenho que aprender a me virar, sei disso também, mas aprendi que ninguém é uma ilha, mas sinto que precisamos aprender a ser. Tudo me angustia, não sei se são os outros ou sou eu de fato o problema. Minha sala de aula me enoja de t…