Pular para o conteúdo principal

Ato de ver um ato!

Ouve irmã o som dos batuques?
Ouve como os agogôs definidos em seu alto grau,
De belicosidade
Disforme dos violinos
Da corte lusa?

Ouve amada, ouve como os atabaques tocam!
Em consonante gingado
De pretos que conquistam...
Tocam sem atabaques,
Tocam sem agogôs

Mas entoam a ancestralidade
Nos seus gritos
Nos seus gemidos
Na sua batalha diária!

Entoam as mais belas histórias de resistência
Contam-nos com lágrimas em seus rostos
Da dor de ter que deixar, a cada dia,
Nas páginas policiais um irmão
Ser estatística. Lá está “mais um preto jogado no chão”.
E onde ele estava?

Fadados a um destino funesto!
Sobrevivem a cada ação repressora,
A cada movimento opressor.
Com as palavras que são sufocadas
Pelo enforcamento.
Pelo olhar de nojo, da tal no canto.

“isso já ta virando palhaçada”, ouço em cada corredor,
Em cada viela que se fala da resistência.
Quando entramos num espaço
Os olhares nos notam.
“Nego é sempre vilão...”.
O que você quer aqui?
Cadê a identificação?
Esse não é o seu lugar.

Felizmente estamos aqui a muito,
E não pretendemos sair,
Somos fortes
E resistimos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DESABAFO - HIPOCRISIA.

Preciso sair desta prisão. Preciso me refugiar em algum lugar que eles não venham atrás de mim. Parece psicose, mas não é. Eu sinto a vontade de fugir, só. Não adianta tentar lutar contra essas coisas que eu sei que não dá certo. É a fuga que resolve só a fuga. Há um movimento de repulsa muito grande aqui, é como se fossem contrárias a força que emana de mim e a que emana da casa, ou dos que a habitam, não sei. Repele minha pele, minha boca, meus sentidos, meu espírito.  A repulsa é tanta que só de imaginar em ter que ouvir e estar no mesmo ambiente que as pessoas, já me dão náuseas. Ouço coisas, tento de todo modo ser e estar alheio a tudo, mas não consigo. Sinto que incomodo a tantos que me acolhem! É, sei que não devo fazê-lo, mas me angustia ficar assim. Tenho que aprender a me virar, sei disso também, mas aprendi que ninguém é uma ilha, mas sinto que precisamos aprender a ser. Tudo me angustia, não sei se são os outros ou sou eu de fato o problema. Minha sala de aula me enoja de t…

CONTRA OS FALATÓRIOS DE CORREDORES E A DISSEMINAÇÃO DE UMA IMAGEM DISSOCIADA. (Por Alisson Nogueira)

Os últimos tempos se mostraram bastante conturbados. Estamos envoltos em grandes discussões de ordem metodológica que deveriam permear o campo da práxis, no entanto nos deparamos com argumentos que distorcem a realidade. Tento sinceramente compreender em que consiste esta organização desenfreada que se materializa em disputas personalizadas. Cuidado redobrado! A opinião pública é colocada em contestação e, aparentemente, os regimes autoritários voltam à ação.  Preocupamo-nos diariamente com os nossos problemas reais que destoam do imaginário coletivo de grande parte dos que compõem o cenário acadêmico subalternizador.  Perguntamo-nos qual o sentido de estudar a história das classes e dos meios de coerção se passamos a compor um grupo que ocupa o papel de objetos coercitivos? Em que luta estamos “embrenhados”? A cúpula que se formou estruturam o novo manual de conduta, o AI meu Deus, e onde nós estamos de fato? Cuidado você não é livre para pensar, sua fala é cerceada em prol de algo…