Pular para o conteúdo principal

Fazendo da praça pública a nossa ÀGORA - SARAL II, em construação


precisamos provocar .....
precisamos invocar.........
precisamos de expressão maciça....
precisamos insuflar as maças À prática artística...
Precisamos ver o circo pegar fogo e rir do ridículo palhaço.
Precisamos refletir sobre quem somos.
Falar do outro sem olhá-lo com meus olhos.
Precisamos de música, dança, Pituras, arte gráfica....
precisamos dos generos teatrais, drama, tragédia, e para mim o mais empolgante, precisamos da comédia.
Faremos da arte a nossa incontestável protagonista, em todos os espaços públicos falaremos de assuntos e conteúdos de interesse público.
Mesmo que isso desagrade a alguns.
Mas somos cidadãos e sabemos o que queremos.
Queremos sarais, sarais e mais sarais. 
Onde nossa voz não se cale diante das injúrias e desgraças que acometem o mundo, onde nossa voz não se omita diante dos exageros, onde nossa opinião deva ser levada em consideração.
Saral, saral, saral....
o tema? HOMOFOBIA, Auteridade, ainda...
UM ataque de skiheads acaba de ocorrer, e ninguém quer falar, mas temos que fazê-lo.
É nossa responsabilidade.


o que acham de criarmos um saral juntos?

Alisson Nogueira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONTRA OS FALATÓRIOS DE CORREDORES E A DISSEMINAÇÃO DE UMA IMAGEM DISSOCIADA. (Por Alisson Nogueira)

Os últimos tempos se mostraram bastante conturbados. Estamos envoltos em grandes discussões de ordem metodológica que deveriam permear o campo da práxis, no entanto nos deparamos com argumentos que distorcem a realidade. Tento sinceramente compreender em que consiste esta organização desenfreada que se materializa em disputas personalizadas. Cuidado redobrado! A opinião pública é colocada em contestação e, aparentemente, os regimes autoritários voltam à ação.  Preocupamo-nos diariamente com os nossos problemas reais que destoam do imaginário coletivo de grande parte dos que compõem o cenário acadêmico subalternizador.  Perguntamo-nos qual o sentido de estudar a história das classes e dos meios de coerção se passamos a compor um grupo que ocupa o papel de objetos coercitivos? Em que luta estamos “embrenhados”? A cúpula que se formou estruturam o novo manual de conduta, o AI meu Deus, e onde nós estamos de fato? Cuidado você não é livre para pensar, sua fala é cerceada em prol de algo…

A fuga da matrix e e a posição no mundo dos pós-flúidos.

A algum tempo, de fato, não faço como inicio agora. A muito não sento com o intuito de escrever. No tocante as últimas postagens, não passaram de momentos em que estava na rua e teci comentários sobre algumas observações não sistematizadas sobre algum ponto, ou coisa do tipo.  O que me proponho a fazer agora, difere desse tipo de escrita no que se refere a tentativa de sistematização do pensamento, não de maneira aleatória, mas dialogada com as leituras de mundo e análises que trago em toda formação acadêmica e pessoal, mesmo que a reflexão não tenha teor acadêmico algum.
Hoje tento retomar de forma assídua meu projeto de escrita, talvez apenas como meio de pôr para fora mesmo, ou apenas achar que é possível me expressar e sistematizar minhas ideias. Não há maiores pretensões aqui, como em outros momentos a ilusão de ser alguém lido tomasse conta da mente desse sujeito que, no auge de seus 16-18 aninhos pensava em como seria legal se todos o vissem. Não que seja velho, mas orgulho-me…