Pular para o conteúdo principal

O choro do palhaço.

 Na busca pela perfeição, encontrei o que nem de longe, esperava. Buscava a porta secreta que me levasse a uma estrada chamada felicidade. Decepcionei-me, fiquei frustrado. Ho, mas foi bom. pude perceber que a frustração é o primeiro passo para que não levantemos vôo e terminemos por acabar.                                Nesse tempo de carnaval o sentido carnavalesco perde um pouco o sentido original. A reversão da ordem deixou de ser a pauta central, a chacota como forma de contestação social já não existe. e o palhaço chora com tamanha lucratividade nos festejos que ordenavam o momento de constante subversão. O que é o carnaval? Será possível uma resposta que transcenda as explicações das representações sulistas dessas festividades? será possível uma resposta que nos fale dos reais sentimentos que este deveria desempenhar fugindo à lógica capitalista?
É, o palhaço chora, mas logo se ver entranhado em um novo emaranhado sintético de alegria. figurativa ou realista este tenta desempenhar seu papel contestador dessa ordem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONTRA OS FALATÓRIOS DE CORREDORES E A DISSEMINAÇÃO DE UMA IMAGEM DISSOCIADA. (Por Alisson Nogueira)

Os últimos tempos se mostraram bastante conturbados. Estamos envoltos em grandes discussões de ordem metodológica que deveriam permear o campo da práxis, no entanto nos deparamos com argumentos que distorcem a realidade. Tento sinceramente compreender em que consiste esta organização desenfreada que se materializa em disputas personalizadas. Cuidado redobrado! A opinião pública é colocada em contestação e, aparentemente, os regimes autoritários voltam à ação.  Preocupamo-nos diariamente com os nossos problemas reais que destoam do imaginário coletivo de grande parte dos que compõem o cenário acadêmico subalternizador.  Perguntamo-nos qual o sentido de estudar a história das classes e dos meios de coerção se passamos a compor um grupo que ocupa o papel de objetos coercitivos? Em que luta estamos “embrenhados”? A cúpula que se formou estruturam o novo manual de conduta, o AI meu Deus, e onde nós estamos de fato? Cuidado você não é livre para pensar, sua fala é cerceada em prol de algo…

A fuga da matrix e e a posição no mundo dos pós-flúidos.

A algum tempo, de fato, não faço como inicio agora. A muito não sento com o intuito de escrever. No tocante as últimas postagens, não passaram de momentos em que estava na rua e teci comentários sobre algumas observações não sistematizadas sobre algum ponto, ou coisa do tipo.  O que me proponho a fazer agora, difere desse tipo de escrita no que se refere a tentativa de sistematização do pensamento, não de maneira aleatória, mas dialogada com as leituras de mundo e análises que trago em toda formação acadêmica e pessoal, mesmo que a reflexão não tenha teor acadêmico algum.
Hoje tento retomar de forma assídua meu projeto de escrita, talvez apenas como meio de pôr para fora mesmo, ou apenas achar que é possível me expressar e sistematizar minhas ideias. Não há maiores pretensões aqui, como em outros momentos a ilusão de ser alguém lido tomasse conta da mente desse sujeito que, no auge de seus 16-18 aninhos pensava em como seria legal se todos o vissem. Não que seja velho, mas orgulho-me…